sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

AUTO ESTRADAS DO MAR


Valente de Oliveira à frente de gabinete de apoio às Auto-estradas do mar
---

A Comissão Europeia lançou um "one-stop helpdesk" sobre as possibilidades de financiamento de projectos para Auto-estradas do mar no âmbito da Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T) e do programa Marco Polo II .Esta estrutura também irá apelar para outros relevantes regimes de financiamento nacionais e da União Européia. A iniciativa "Auto-estradas do mar" é um projecto prioritário da RTE-T que visa promover o transporte por mar, viável, atraente e eficiente, baseado em ligações integradas de transportes, através da cadeia do transporte.
Com a criação do balcão helpdesk - que é apoiado pelo prof. Valente de Oliveira, a Comissão aborda um constrangimento importante para o arranque de novos projectos de Auto-estradas do mar. O gabinete agora criado não vai apenas ajudar a identificar opções de co-financiamento para os potenciais novos projetos, mas também auxiliar a preparação de pedidos de financiamento para os projectos de Auto-estradas do mar, no âmbito da RTE-T e programa Marco Polo II.
Fonte: Cargo News

2 comentários:

Farinha disse...

Caro José Modesto
Certamente Portugal necessita e beneficiará com as Auto Estradas do Mar, o transporte por mar, viável, atraente e eficiente, baseado em ligações integradas de transportes, através da cadeia do transporte.
Tenho conhecimento pleno da realidade económica do país, e o projecto do TGV é economicamente faraónico, numa economia fragilizada.
O Mundo, presentemente vive uma nova ordem económica, os observadores económicos da União europeia estão atentos à realidade portuguesa um país que infelizmente não atrai investidores, pelo contrário.
A Madeira é acusada de despesismo, eu acuso o governo português de hipotecar o futuro.
Os países ricos nórdicos, utilizam os ferrys para transporte de passageiros comodamente e carga rodada, aqui em Portugal não exploram as potencialidades do Mar, um país dotado de bons portos em especial o grande porto abrigado de Lisboa e o de Sines.
O próprio Presidente da República tem alertado os portugueses para as potencialidades do Mar, mas tem caído em saco roto.
Já agora, também subscrevo o Movimento Esperança Portugal que lançou uma petição intitulada "Contra a terceira ponte sobre o Tejo".
No Dubai construíram obras faraónicas sem rédeas, até compraram o QE2, agora estão à "rasca" e querem se desfazer do QE2, isto num país que gera petrodólares.
A seguir os números do TGV.
O ministro dos Transportes e Obras Públicas, Mário Lino, revelou que o custo da construção do TGV irá ascender a 7,7 mil milhões de Euros e que serão criados 36 mil empregos.
O valor total da construção do TGV irá ser pago a 20% com fundos comunitários, a 38% com o "cash-flow" gerado pela operação e em 42% pelo Estado, através do contrato da concessão, revelou Mário Lino no IX Congresso Nacional de Transporte Ferroviário.
Por exemplo, a construção de 4 ferrys na ordem dos 170 metros e tonelagem de 25.000t, custar
ão cerca de 400 milhões de Euros. Com encargos inerentes às operações de navegação a grosso modo, que chegue a 1 mil milhões de Euros, isto numa fasquia alta. Este projecto criaria centenas de postos de trabalho.
Agora não é nada que se compare com o custo estimado de 7,7 mil milhões de Euros para o TGV.
Um abraço e bom fim de semana
Paulo Farinha

JOSÉ MODESTO disse...

Caro Farinha, grato pelo seu comentário.
Concordo com tudo o que diz, a politica do mar está perdendo razão num país como o nosso.
Os governos sucessivos ainda não tomaram uma posição credivél sobre as potencialidades do mar e do nosso país.
Enfim somos o que somos, por isso Portugal sendo no passado uma potencia no shipping, não se justifica nem há explicação para que o shipping não seja uma disciplina obrigatória no nosso país.
Tal não se verifica porque não existem politicas de apoio ao sector.

Saudações marítimas

Arquivo do blogue

PORTO DE LEIXÕES

PORTO DE LEIXÕES